quinta-feira, 21 de junho de 2018

A essência do calvinismo

A essência do calvinismo está, portanto, na doutrina bíblica do eterno, imutável, soberano, incondicional e eficaz propósito de Deus. Os atributos divinos da independência, imutabilidade, onisciência, onipotência e eternidade, e o claro e abundante ensino bíblico sobre a vontade eterna e soberana de Deus não permitem que o calvinista creia em um Deus sujeito a contingências temporais; em um Deus que seja tomado de surpresa, ou que qualquer coisa no tempo ou na eternidade aconteça À parte de sua vontade. O calvinista crê, juntamente com o autor da Epístola aos Hebreus, em um Deus imutável em seus propósitos (Hb 6:17); crê, assim como Tiago, em um Deus "em quem não pode haver variação ou sombra de mudanças" (Tg 1:17). O calvinista exclama com Jó: "... se ele resolveu alguma coisa, quem  pode dissuadir? O que ele deseja, isso fará" (Jó 23:13). O calvinista afirma com o salmista: "O conselho do Senhor dura para sempre, os desígnios do seu coração, por todas as apóstolo Paulo: "...é Deus quem opera em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade" (Fp 2:13). A vontade soberana, livre, imutável de Deus é a premissa fundamental do calvinismo. Tudo gira em torno dessa verdade bíblica.
Paulo Anglada - As Antigas Doutrinas da Graça, p12

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Um crescente estímulo ao sensacionalismo

É um fato que milhares de pessoas vivem próximas aos nossos notáveis santuários e sequer sonham em entrar neles. Até mesmo a curiosidade parece ter se diluído. Por que isto? De onde vem esta falta de apetite pelos cultos ordinários do santuário? Eu acredito que a resposta, pelo menos em parte, está em algo pouco suspeito. Tem havido um crescente estímulo ao sensacionalismo; e, quanto mais este apetite desordenado aumenta em fúria, mais ele é glorificado, e, ao fim, descobre-se que é impossível satisfazer suas demandas. Aqueles que têm introduzido toda sorte de atrações em seus cultos devem culpar a si mesmos se as pessoas desprezarem seus ensinos mais sóbrios, e deleva ao escandaloso, se não ao blasfemo. Eu não condenaria ninguém, mas confesso que fico profundamente pesaroso com algumas das invenções do moderno trabalho missionário.
C. H. Spurgeon

Sermões água com açúcar

Sermões água com açúcar, disse Calvino, eram aqueles que tomavam passagens "ao acaso", sem prestar atenção ao contexto; em alguns casos, "não é de admirar que erros surjam por todo o lado". Em vez disso, disse Calvino, "tenho procurado, tanto em meus sermões quanto em meus escritos e comentários, pregar a Palavra pura e castamente, e fielmente interpretar suas Sagradas Escrituras".
Matthew Barret - Teologia da Reforma, p.54

terça-feira, 19 de junho de 2018

Reforma Protestante

Sim, a Reforma foi um "evento religioso" e sua preocupação ulterior foi teológica. Mas a história está cheia de movimentos reformadores de viés religioso e ético que se consideravam teológicos na orientação. O distintivo da Reforma, porém é que sua profunda preocupação teológica foi o próprio evangelho. Em outras palavras, a Reforma foi uma ênfase renovada na doutrina correta, e a doutrina que estava no centro das atenções era uma voa compreensão da graça de Deus no evangelho de seu filho, Jesus Cristo.
Matthew Barrett - Teologia da Reforma . p42-43

Sempre que Deus é desonrado...

Sempre que Deus é desonrado, aqueles que amam o Senhor sentem dor e justa indignação. Isso foi o que Davi experimentou quando exclamou, em Salmos 69.9: "O zelo pela tua casa me consome, e os insultos daqueles que te insultam caem sobre mim." O Senhor Jesus citou esse versículo quando purificou o templo, expulsando os cambistas que trataram o santuário de Deus e a adoração do seu povo com desrespeito vergonhoso. Há muito tempo que sinto um peso semelhante em resposta às formas deploráveis com que o Espírito Santo é caluniado, maltratado e mal-interpretado por muitos dentro dos círculos carismáticos.
John MacArthur - Fogo Estranho, p.11

Reconhecer a autoridade da Escritura

Reconhecer a autoridade da Escritura é, pois, algo profundamente libertador. Livra-nos da exigência escrava que nos faz seguir cada tendência cultural, e todas elas, e oferece-nos uma estrutura pela qual podemos julgá-las, como a Igreja Confessional escolheu julgar Hitler, em vez de segui-lo _ a despeito da enorme pressão cultural colocada sobre eles para que se conformassem ao clima cultural que existia. Recuperar a Bíblia permite-nos imitar a Cristo, em vez do mais recente capricho para de uma cultura fragmentada e confusa. 
Alister McGrath - Paixão pela verdade - p53

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Conhecer a Deus

Poder conhecer a Deus é sempre uma iniciativa da graça divina. O nosso conhecimento é um ato de fé, e esta é procedente da graça. Mais: nunca somos ou seremos o padrão de verdade, antes, precisamos sempre validar o nosso prensamento na Palavra, que é a verdade (Jo 17.17). Só pensamos verdadeiramente quando pensamos à luz da Palavra. Por isso, é que conhecer a Deus é algo singular por que somente Deus é soberano e, somente a partir dele podemos conhecer a Deus em sua soberania, portanto, e´um dom da graça do soberano Deus. Este conhecimento, por sua vez, nos liberta para que possamos conhecer a nós mesmos e as demais coisas da realidade.
Hermisten Maia - Introdução à cosmovisão reformada, p 53

Ser realizado

Deixar de relacionar-se com Deus é deixar de ser completamente humano. Ser realizado é ser plenificado por Deus. Nada transitório pode preencher esta necessidade. Nada que não seja o próprio Deus pode esperar tomar o lugar de Deus. Assim mesmo, por causa da decadência da natureza humana, há hoje a tendência natural de se tentar fazer com que outras coisas preencham essa necessidade. O pecado nos afasta de Deus e nos leva a pôr outras coisas em seu lugar. E, como a criança que experimenta e expressa insatisfação quando o pino quadrado não se encaixa no orifício redondo, passamos a experimentar um sentimento de insatisfação. De alguma forma, permanece em nós a sensação de necessidade de algo indefinível de que a natureza humana na sabe, só sabe que não o possui.
Alister E. MacGrath, Paixão pela verdade - p.68 

terça-feira, 12 de junho de 2018

A maior contribuição protestante

A obra evangélica tem sido uma contribuição permanente para o engrandecimento cultural dos povos latino-americanos. A maior contribuição protestante para formação do Brasil contemporâneo é a circulação da Bíblia, garantia de uma nova mentalidade, substancialmente necessária para a própria salvação desta grande República, considerada como líder dos países latino-americanos.
(Matias Gomes Santos - O Brasil Contemporâneo e a Contribuição Protestante)

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Vivo ou Morto

Quando um homem tem o coração frio e desinteressado pela religião, quando suas mãos jamais se empregam na obra de Deus, quando os seus pés desconhecem os caminhos de Deus, quando sua língua quase nunca é usada para louvar ou para a oração, quando seus ouvidos são surdos à voz de Cristo no evangelho e seus olhos cegos à beleza do reino dos céus, quando sua mente está repleta das coisas do mundo e não há lugar para coisas espirituais - quando encontramos essas marcas num homem, a palavra que o descreve é "morto"... Isso explica porque o pecado não é sentido, os sermões não são cridos, os bons conselhos não são seguidos, o evangelho não é abraçado, o mundo não é abandonado, a cruz não é tomada, a vontade própria não é mortificada, maus hábitos não são deixados, a Bíblia raramente é lida e os joelhos jamais se dobram em oração. Porque vemos isso por todos os lados? A resposta é simples: os homens estão mortos.
J. C. Ryle (Vivo ou Morto - p3-4)

terça-feira, 5 de junho de 2018

Com que me apresentarei ao Senhor?

Mas se o homem e a mulher se completam física, psíquica e afetivamente, constituindo assim a vida social - o que de fato está longe de ser isso irrelevante - ambos têm uma matriz metafísica, transcendente: ambos procedem de Deus para viverem com e para Deus. Por isso, a questão que permanece na tela das atenções do homem, ainda que costumeiramente ele não saiba defini-la, é o seu encontro com Deus. Pela perda da dimensão do eterno o homem trilha por atalhos que, quando muito, servem como paliativos para as suas angústias, mas, que ao final, aumentam ainda mais a sua dor e desilusão. Assim, o homem procura alento na filosofia, na arte, na filantropia, na religião, na diversão, no consumo, no sexo, no trabalho e nas drogas. Ainda que algumas dessas fugas possam ser úteis intelectual e socialmente, elas, por si só não resolvem a questão fundamental do ser humano: "Com que me apresentarei ao Senhor?" (Mq 6.6).
Hermisten Pereira da Costa (Igreja Reformada e os Desafios Teológicos e Litúrgicos na Pós Modernidade)

No campo de batalha, o soldado tem um único propósito

No campo de batalha, o soldado tem um único propósito, a saber, satisfazer o oficial que o alistou. De igual modo, Timóteo - e no tocante a isso, todo ministro - deve compreender que sua elevada tarefa "Exige sua alma, sua vida, seu todo". Uma santa paixão deve encher seu ser. Deve dedicar-se completamente ao Senhor que o designou ("o alistou") e que o capacitou para sua tarefa. Todo verdadeiro e fiel servo de Jesus Cristo se dedicará realmente e de todo  coração a sua tarefa, com o fim de agradar a seu mestre.
William Herndriksen (Comentário do Novo Testamento 1Timóteo, 2 Timóteo e Tito p.305)

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos

Um bom motivo para concordar com este texto:  
Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, a ele seja a glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Amém!   
Efésios 3:20,21

Em 14 de junho de 2017 tive um dia inesquecível. Conforme publicado na minha página do facebook, experimentei a alegria do nascimento de meu sobrinho-neto dinamarquês e a angustia da descoberta de um quadro de trombose na perna direita, já lesionada pelo rompimento do tendão de aquiles na junção musculo-tendíne, por conta de querer jogar basquete como garotinho.

Foi um dia de oscilação de emoções. Mas não foi inesquecível pela oscilação, mas por experimentar o cuidado e providencia de Deus nos momentos difíceis e angustiantes. Providência manifesta em conseguir atendimento em uma especialista vascular sem marcar consulta no mesmo dia, através da dedicação de um amigo de trabalho. Providência em receber ligações de outros colegas manifestando apoio, solidariedade e preocupação.  Providência no apoio de familiares que nos socorreram de diversas formas.

Mas após este dia, descobri que minha lesão no tendão me traria dificuldades maiores além do que ela mesma já tinha o poder de infrigir. Não bastasse o uso da bota imobilizadora, seria necessário passar os próximo 30 dias absolutamente deitado com a perna para cima e ganhando um companheiro que não me abandonaria nos próximos meses, o anti-coagulante. Difícil para alguém acostumado com a autonomia de ir e vir e com uma rotina cheia, aceitar o ficar deitado por um tempo longo. Lembrei-me das palavras do Apóstolo Paulo, escritas na carta aos Romanos 8:28 : “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.” Mesmo angustiado pela notícia de algo tão sério (trombose), lembrando do ocorrido com grande amigo em tempos atrás,  me confortei na certeza de que Deus não nos desampararia (a mim e minha família).

Repouso forçado vivido com resiliência e ânimo graças a recursos e pessoas que Deus dispensou para que vivêssemos este tempo da melhor forma possível. Família dedicada a não me deixar faltar nada, especialmente a esposa e os filhos. Família da Fé que clamou aos céus por minha recuperação e trouxe uma alegria ao recebê-los para um bate papo. Familiares, que há tempos não via,  enfrentaram longas distâncias para me ver. Amigos de trabalho que dedicaram tempo e interesse de saber sobre meu estado, oferecer ajuda, ligar para consultar sobre assuntos que dominam amplamente somente para me fazer sentir relevante e também dedicar suas orações a Deus em meu favor. Não citarei nomes. Não quero produzir injustiças do esquecimento de pessoas queridas e também não quero expô-las publicamente sem o devido consentimento. Mas todos os queridos realizadores das ações aqui narradas certamente se identificarão e acredito que compreenderão que o foco aqui não é gratidão a eles, mas a Deus que manifestou sua providência e cuidado sobre minha vida através deles.

Lentamente as coisas foram voltando aos eixos. Sair do repouso com 30 dias. Retorno ao trabalho mesmo com muletas, contando com a bondade e gentileza de todos que contribuíram com algum tipo de ajuda para que pudesse me deslocar com o menor esforço e nada me faltasse.  Gesso retirado com 45 dias. Saem as muletas, entra a bengala. Fisioterapia e pequenas caminhadas. Deus continuava agindo provendo todos os recursos e gentileza de vários queridos envolvidos neste processo lento de recuperação.

A cada passo do tratamento me sentia mais animado. Exames confirmavam o progresso na recuperação tendão e a recanalização de uma das veias. Isto me deixou muito animado. Mas, ao final de outubro veio algo que não passava por meu radar. As coisas iam tão bem que só conseguia visualizar o horizonte em céu de brigadeiro. Não parecia ter lugar para nuvens. Ao fazer um exame de ultrassom para verificar as condições do tendão após o processo de fisioterapia pedi ao radiologista que examinasse as veias. Parecia ter certeza de a segunda veia estava recanalizada. O resultado me jogou no chão. O ortopedista suspendeu o tratamento e não me deixou passar a segunda fase sem o aval da vascular. A vascular não trazia bons prognósticos. Já havia passado longo tempo da lesão. Em casos semelhantes é normal o a recanalização e eliminação da trombose em até 6 meses. Fui recomendado continuar com o anti-coagulante por um prazo de até um ano da detecção da trombose. Sabe aquelas coisas que você topa fazer por desencargo de consciência mas que no fundo a sensação é de que terá um resultado pífio? Fiquei desanimado, mas pedi a Deus apenas uma coisa: “Senhor, se não for possível recanalizar esta veia, me ensine a viver com isto ! Me conceda a melhor vida possível assim”

Liberado para a segunda fase do tratamento, a musculação, inicie o processo com meus companheiros de tratamento, o anti-coagulante e a meia compressiva. Dores ainda me acompanhavam no calcanhar, fruto da falta de irrigação sanguínea nos músculos. Temia por estar perdendo tempo, algo que odeio. Mas segui. Aos poucos senti melhora nas dores. Minha passada de caminhar foi perdendo a mancada. O peso diminuiu, as roupas mais justas entraram melhor na no corpo mais esguio.   Internamente me convencia que o prognóstico do ortopedista estava se cumprindo: “o corpo vai encontrar outro caminho para irrigar seus músculos e tendões”. Pensava comigo, Deus está realizando o que pedi.

Ao final de maio o vascular já havia pedido uma consulta para acompanhamento. Pediu novo ultrassom. Vamos nós novamente. No íntimo a curiosidade era para saber confirmar como Deus tinha direcionado caminhos alterativos para o sangue chegar calcanhar cada dia menos dolorido. Ao final do exame quase fui as lágrimas. Sem perguntar nada ao radiologista, ele menciona que não há mais trombose. Todas as veias estão recanalizadas. Não pude esconder minha cara de espanto. Enquanto me arrumava para ir embora orei ao Senhor. Sai do instituto de radiologia radiante. Olhos lacrimejados. Passos largos apressados com uma sensação de leveza indizível. Cheguei ao carro. Não pude conter a ansiedade de ligar para minha esposa. Tratei de outros assuntos, mas Luciane sabe quando minha voz está diferente. Ficou tão aliviada quanto eu. Pedi que não contasse a ninguém porque queria aguardar um posicionamento da vascular.

Neste momento não podia deixar de pensar no texto que abre esta declaração de gratidão a Deus: “Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, a ele seja a glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Amém!” Ef 3:20,21. Como é bom experimentar esta verdade. Não esperava mais que minha veia fosse recanalizada, mas tinha a convicção que Deus me daria condições de viver da melhor forma possível com esta limitação. De fato, Deus nos surpreende. Não merecia nada do que ele fez por mim até hoje, não apenas nestes eventos aqui narrados, mas em toda a minha vida. Este acontecimento realça apenas mais uma grande ação do Deus da minha Fé.

Tenho ainda grandes desafios com minha recuperação. Continuarei ainda frequentando a academia. Uma perna ainda é muito mais fina que a outra. Mas agora me acompanha apenas a meia de compressão, uma prevenção necessária para a vida toda de vitimas de trombose de membros inferiores. O anti-coagulante e seu alarme no celular não são mais necessários.  Mas agora corro meus 15 minutos de esteira com muito menos preocupação de estar levando meu corpo há um limite perigoso. Deus está me concedendo uma nova fase da vida, que não esperava estar.

O legado que fica de todos estes fatos é uma profunda gratidão a Deus. No momento em que vivia cada decepção não poderia contemplar as grandes coisas que Deus fez por mim neste período.

O conselho que posso deixar para os queridos que se dedicaram a ler estas linhas até este ponto é: Não deixe que a decepção de uma frustração de expectativa lhe faça esquecer que Deus é capaz de fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos, mesmo que não seja no tempo e forma que acreditamos ser o melhor para nós. 
Presb. Wilson Souza Junior

terça-feira, 22 de maio de 2018

O Espírito dirige a todos nós na proclamação do Evangelho

Não podemos também nos esquecer de que o Espírito dirige a todos nós na proclamação do Evangelho, enviando-nos aos nossos familiares, parentes, amigos e vizinhos. O Sacerdócio Universal dos Crentes obtido por Cristo através de quem temos livre acesso a Deus (Jo 14.6; 1Tm 2.5; Hb 10.19-25), torna-nos também responsáveis pelo testemunho da mensagem redentora de Cristo (1Pe 2.9). 
Hermisten Maia (O Espírito Santo e a Igreja: Segurança, desafio e esperança -p.114)

quarta-feira, 9 de maio de 2018

A humanidade, a imagem de Deus, é vice-regente dele


A humanidade, a imagem de Deus, é vice-regente dele, seu servo
capacitado para reinar em nome dele sobre toda a criação. Da mesma forma que essa criação – em sua totalidade, tanto animada como inanimada – é posta sob a hegemonia do Senhor mediada por intermédio da raça humana. A criação, com tal, deve ser usada, mas não explorada, trabalhada, mas não exaurida.
O domínio do governo de Deus não tem limite espacial – os céus a terra – mas o Antigo Testamento vê a terra como o lugar espacial no qual ele demonstra sua glória e graça. Aqui, o Altíssimo dignou-se em vir entre seu povo de forma única, e a humanidade, aqui, devia ser fértil e multiplicar-se e “enche[r] e subjug[ar] a terra”. O solo de teste foi o jardim, um pedaço do Reino que devia ser trabalhado e supervisionado até que todo o mundo pudesse ser administrado. Mas esse domínio foi confiscado por causa Queda para que, agora o homem reinasse apenas com trabalho árduo e muita luta. Todavia, Deus não abdicou de seu trono. Ele ainda reina e por intermédio daqueles feitos à imagem do Senhor, mas o lugar sagrado de comunhão especial não é mais o jardim, mas qualquer lugar em que ele manifeste sua presença, seja no altar, seja no santuário, seja no tabernáculo, seja no templo.
 (Eugene H Merrill – Teologia do Antigo Testamento, p 289.)


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...